segunda-feira, 24 de junho de 2013

Arquétipo de Ares

Por: Hellen Reis Mourão




Ares na mitologia grega era o deus da guerra. Filho de Zeus e Hera foi rejeitado pelo pai, que não se agradava dos modos agressivos do filho.
Atena, sua irmã, também era uma deusa da guerra, entretanto, Atena era de guerra estratégica, enquanto Ares tendia a ser a violência da guerra, da força bruta e da sede de sangue.
Teve muitos filhos e consorte, mas seu caso mais conhecido foi com Afrodite. Com ela teve um caso extraconjugal (Afrodite era casada com Hefesto).
Impressionada pelo vigor do jovem guerreiro, Afrodite se entrega aos encantos de Ares. Hefesto, com a ajuda de Hélios (o deus Sol), descobriu o adultério e planejou sua vingança. Em segredo forjou uma rede muito fina, quase invisível, porém muito forte que não podia ser destruída, e pendurou-a sobre o leito.
Quando Ares e Afrodite adormeceram, Hefesto soltou a rede sobre ambos e chamou todos os deuses para testemunhar o adultério. Tempos depois tiveram uma filha Harmonia, estabelecendo uma ligação equilibrada entre o amor e a paixão.


O arquétipo de Ares corresponde à força física, representando os instintos guiados pela vontade que não medem consequências. Corresponde também à competição e às reações intensas e apaixonadas (lembrando que ele foi amante da deusa do amor).
Ares também possuía a qualidade de coração, uma vez que reagia emocionalmente . Por várias vezes defendeu seus filhos e filhas e os vingou. Sendo, portanto, o arquétipo daquele que entra em uma luta pelos que lhe são caros.
É a raiva, a ira, a indignação, mas também a coragem para a luta necessária e para a sobrevivência.
Representa o filho criado sem a presença paterna, uma vez que foi rejeitado por Zeus.
Por idealizar e cultivar o pensamento e a racionalidade os gregos desprezavam Ares. Entretanto, como aponta a autora Jean Shinoda Bolen em seu livro “Os deuses e o homem”, o arquétipo de deus grego sedento por sangue evoluiu para o arquétipo de Marte romano. Nessa transição ele se tornou o protetor e defensor da comunidade. Se tornando aquele que luta pela segurança e pelos direitos dos outros. Ou seja, um grande líder.