terça-feira, 29 de março de 2016

Robin Hood mythical hero




By: Hellen Reis Mourão
Robin Hood is a mythical English hero. In short, he was an outlaw, who robbed from the rich and gave to the poor.

           According to the legend, he would have lived in the 13th century, in the Crusades period, along with King Richard, the Lionheart, being his loyal supporter.
It’s commonly said that Robin truly existed, but the fact is, if he did, it doesn’t matter, because his legend has been still alive and delight the whole world for centuries and it has been portrayed several times on films, comic books and on television.

          In Nottingham, a city in the centre of England, where Robin’s Hood adventures take place, besides monuments, there are streets with his name and an annual festival entirely dedicated to him. There is also what was left of Sherwood forest , where it is possible to find the three in which Robin and his band gathered.

            Robin Hood was portrayed in popular culture as a highly skilled archer and swordsman. He used to live in the Sherwood forest and among his best friends and companions were Little John
, Will Scarlet e Friar Tuck. His love interest was Maid Marian who he gets married in all versions.


            He was known as “The prince of the Thieves” who valued freedom, adventure and the open air life. 

           One of the first written references to the character is the epic poem “Piers Plowman” written by William Langand  around 1377. The compilation “Gest of Robin Hood” dated by 1400 , suggests that the stories about the legend had been around a lot at that time and were all public knowledge years before, at least, since 1310.
There are several versions and origins related to the hero. The most known is that his name was Robert Locksley.
Robert fought in a Crusade alongside King Richard, but when he went back home, Nottingham, find it under Prince John’s tyranny.
People were under abusive laws, and the hunting – the only source of livelihood at that time – had been forbidden. Angry, Robin Hood refuses to accept the situation and becomes an outlaw. Taking advantage of his knowledge of cavalry, archery and combat acquired in the war, he joins to a group and begins a combat against the noble tyranny, stealing arrogant nobles and wealthy clerics as a way to make up the abuses. 

            In the end of the history, he wins Prince John and gets married to Maid Marian, Ricardo’s niece. In the end of the history, Richard, the Lionheart reappears after his defeat in foreign lands and he makes Robin Hood a knight, turning him into a noble again.

            The truth is that Robin Hood was always a source of versions to the movies and television. The idea of an anti-hero that uses an unethical argument to promote justice, pleases the collective consciousness.
In all the theories that support the existence of Robin, the hero chose the clandestine life and the fact that he was an outlaw, a rebel, due to the fact that he was wronged and this way summoning to his mission a huge group of allies.

         He becomes a hero symbol of generosity and fear of governor.

          Robin used to be portrayed wearing a green outfit, handling his bow like nobody’s business, fearless and living free and happy, surrounded by friends who help him on a brink of any threat.

           Before starting the analysis  it is important to highlight that little attention is given to the real man who would have served as inspiration to the appearing of this mythological figure.  I intent to analyse the symbol and alleged historical context.
The great question and core issue of Robin Hood’s Epic is the Crusades.

 King Richard sets off to the combat in the name of church. He goes to Jerusalem during the third Crusade and his throne is usurped by his tyrannical brother, Prince John.
Here we have the onset of the problem: the King is weak and succumbs to the power. 


          According to Von Franz (2005), the tales and the legends always begin with an issue related to the King:

“Now, we keep the exposition, in other words, with the onset of the problem. You will find it in a shape of the sick old King, for example, or the King who finds out that every night golden apples are stolen from his tree, or his horse is sterile, or his wife is sick and needs the water of life. Some problems always appear in the beginning of the story obviously, because if it didn’t, there would never be a story. So, it establishes the problem psychologically and tries to understand its nature.”

After the whole explanation, it is necessary to understand the nature of this initial problem.

            First, the King’s symbolism is very important. An extensive study about the King is in the chapter called “ Rex et Regina”, from Jung’s book, Mysterium Coniunctionis.
The King, in the ancient tribes, had magical qualities to the people. Some leaders, for example, were so sacred that they could not touch the ground and for this reason they were carried by his people (Von Franz, 2005).
In several primitives societies, the prosperity of the whole country relied on the King’s health and physical sanity: If he became powerless or sick, he had to be killed and another king should take over his place, whose health and power could guarantee women and cattle fertility as well as, the whole tribe prosperity.
Hence there is the idea of King be periodically renewed.

            According to Von Franz (2005)
“We may say, to sum up, that the King or the leader assumes a divine figure, on which depends the physical and psychic well- being of the whole nation. The King represents a divine principle in its most visible form, it is its incarnation and home.
As a result, he has a lot of characteristics that lead us to consider him a symbol of SELF, because SELF, according to our definition, is the centre of psyche self regulation system on which depends the individual well-being.”

            So, Richard, the King, as a symbol of SELF, is connected to a Western civilization, that represented, above all, the current religion: Christianity , that should be the people’s  source of mental health.
However, at that time, there was an enormous dissatisfaction with Christianity, due to the Crusades. This dissatisfaction appears several times in the hero’s adaptation to the movies, mainly in his lines.

          This way, religion, as any other current system, wears off. Its symbols lose their numinous qualities.
The comparative history of religions show the tendency of rituals and dogmas become overcome after some time, losing its original emotive impact, becoming useless formulas. Although they acquire some conscience positive qualities, such as continuity, they lose contact with the life irrational current and have a tendency to become automatic. (Von Franz, 2005).

           The same happens to the political systems that become wear off as the time goes by.
In Robin Hood story, we see the current political and religious system in a wearing off process. Richard, as a King succumbs to the Crusades and left behind what was essential: the people.

          The Crusades were a supposedly Christian inspired military movement that set off from Western Europe towards Jerusalem in order to conquer, take and keep it under Christian domain. There were around nine Crusades.
The third Crusade was preached by Pope Gregory VIII right after Jerusalem had been captured by the sultan Saladin in 1187 and it is also known as The King’s Crusade. It is so-called by the participation of the main European sovereigns at that time: King Philip of France, Frederick Barbarossa (Holy German-Roman Emperor) and Richard, the Lionheart (England).

Hence, it is possible to see that Christianity had succumbed to the Power principle. There was no more Eros in the current religion. Greed and brutality marked this movements. 

The King’s brother then usurps the throne. John was the King’s shadow, the power principle.


Wherever a cultural, religious and civilization structure loses its religious characteristics, political fights happen among dictator and restrict groups that determine the destine of a whole civilization. In case there isn’t a much more powerful symbol capable of uniting people , so the disruptive influence, allied to battles for prestige and vanity, appears (Von Franz, 2002).

The church at this time didn’t have a more spiritual life capable of keeping people united and then, was destined to perish in the constant battle of power.
At this time, when the King needs to be renewed, the principle of power, represented by John prevails. 

In John’s figure we have the destructive rage. In Disney’s animation from 1973, John is represented by a lion, animal that Jung, on top of being symbol of royalty, represents strong, passionate desire and loving animal impulses. The lion represents an strong animal impulse.
According to Von Franz (2002):
“If a human being lose its religious support, they fall apart becoming an easy target of affection, such as sex, power, besides other desires and impulses and it is the moment in which the personality is taken by the greed”
It is in the scenario that Robin Hood emerges, protecting the powerless and becoming a mythical figure. 

Despite being an outlaw, Hood is a hero.
Among the hero figures, there is a great variety of them: the “fool” type, the “cheater” type, the strong man type, the naive, the handsome guy, the wizard, the one that sort out all the problems and the one that sort out and supplants through power and courage.  

The hero is the savior, He renew the life situation. 

As Von Franz (2005) mentions:
“The hero is, consequently, the restorer of the sound situation, conscious.  He is an ego that reestablishes the normal and sound operation of a situation, in which all egos from the tribe or nation are diverting from the totality instinctive pattern. We may say that the hero is an archetype who represents a ego model working according to the SELF. Being a product from the unconscious psyche, He is a model that must be observed, because He shows the ego according to the SELF solicitation”

Robin performs the designs of the hero archetype, because He really makes up and restore the sound situation.
The fact that he is an outlaw shows that the individuals who prove the Self don’t fit in the current moral. The unconscious is amoral in face of conscious.
But in fact, Robin is not a transgressor. The act of stealing gets him close to the mythical Prometheus, who steals fire from Gods to give it to the humanity. Robin steals the powerful people’s amount and from the unconscious principle regent, that divert from instinctive operating pattern.
As well as Prometheus brought progress to humanity, Robin brings a new vision of western man, an unconscious increase. 
This unconscious increase comes through the questioning of human actions. The destruction of people in the name of power and the negligence of other people at the expenses of what is called God.
As well as Job, the biblical figure, and Prometheus, He questions this divinity. He question his acts, his aggressive behaviour, his instinct. The uncertainty is the beginning of the conscious.
Both the myth and the legend show that every benefit from the knowledge and conscious is followed, inexorably, by pain, guilty and punishment. The benefit given to the one who scapes from the darkness.

Robin pays his debits with the exclusion and loneliness.
On top of that, Robin lives in the woods, in the middle of nature. The wood is a feminine symbol and an untouched psyche area. So much so that the Goddess associated to the woods and forests is the virgin Goddess Artemis, one of Great Mother aspects.
In the legend and in the movies adaptations, there isn’t any feminine figure alongside the King. In other words, the lack of the feminine element in  the unconscious principle regent.
 Robin’s legend shows a current problem of humanity, which is the exploitation of natural resources made by modern man. This exploitation has come to the limit of absurd. The wood’s life chosen by Robin shows a completely different way from the Western man who prefers the hectic life from the consorts of Great Mother.

           The feminine element is also came to light by the hero who helps him and his adventure, who is his beloved Marian, portrayed sometimes as King’s Richard niece.

            Another Robin interesting aspect is the fact that he deals with his bow and arrow skillfully.

            About that we can make some assumptions. The bow and arrow can be considered one of the most intelligent inventions of human history. By the use of this tool, man started avoiding hand to hand combats in which he was submitted in antiquity.

            In this period, man needed to fight hand to hand with animals or throw darts and Spears, which was extremely dangerous and turn almost impossible the hunt of birds. So, bow and arrow start to protect man who could shoot from a sound distance and in silence, taking humanity to a huge step forward in terms of improvement when it comes to survival. Bow and arrow are fruits of intuition function once they came to oppose to the brute force.

                 Besides that, to use bow and arrow in a hunt, not only was it necessary to have a good shot, but also an appropriated psychological condition. If before the hunt, the hunter had had a fight, he would certainly miss the target.
Therefore it is necessary to hit a target look for an inner balance. Hitting the target requires concentration, intelligence and intuition. 

Once Self is represented as psyche centre as a whole, Robin, besides being extremely intelligent, he hits the target skillfully, showing that he is going along with Self’ designs. Due to it, he is capable to lead people to their totality.

            Robin incorporated the shadow, because it is possible to see the the hero’s negative aspect in him, in the outlaw figure. 
Hood is proclaimed as The prince of the Thieves. The thief is a mythical figure, being even more famous than God Hermes, considered by Greeks the patron of intelligence, cunning and thieves.
All the Gods’ pagan characteristic seeing in Robin are quite interesting. In a period in which the paganism was suppressed as a function of a unique God, much of the lost knowledge in this period went to the unconscious. Along with this pagan knowledge, it is the feminine, that has a much more magnificent expression at paganism.
Then, Robin is responsible for bringing back this suppressed knowledge to the consciousness and bring back in order to have an renewal

 It is also important to highlight that in the fairies we see that the renewal begins in the grassroots sections of society. All the renewal doesn’t immediately happen to the highest sections of society. The renewal coming from the grassroot sections of society first would mean the necessity of people to get rid of oppression and wishing freedom.
Deepening Robin archetype.

             According to (1998), Puer Aeternus figure as a single archetype has the tendency of unify in one piece the following figures: the Hero, The Divine Child, The Kings’s son, The Son of the Great Mother, Eros, the Psychopomp, Mercury - Hermes, Trickster and the Messiah (the savior).
Robin Hood has many of these mentioned qualities: He is a hero, a seductive man like Eros, a Trickster, because he plays pranks in the powerful man around town, he is a Mercury – Hermes because his intelligence, criativity and cunning, a son of nature, in other words, of Great Mother and also a Savior.

            Still according to Hillman (1998), the archetype of Puer Aeternus personify or it is in a special relation to the transcendent special powers of the collective unconscious. Representing this way, the Spirit’s impulse.

           The Puer issue was very well detailed by Marie Louise Von Franz in her piece
Puer Aeternus: A Psychological Study of the Adult Struggle With the Paradise of Childhood. In this piece she approaches with clarity and details the main neurotic plan.


      

        However, I would like to emphasize, using  Robin Hood figure, the archetype background, which brings the light and shadow and a great possibility of growth and development.

              The Puer is our own nature, something essential that is part of us and goes beyond the collective agreements. It is our essence that connect us to the Self.

               Through Puer it is given us the meaning of destiny and mission., that we have a message and that we hold the divine flame. He is our vitality, abundance and enthusiasm meaning.

              As well as Robin, he is at the service of the Gods (here, King Richard), in other words, Self .

              I don’t want to wrap this subject up, because there is a lot to say about  Robin Hood and his image of a Hero, Trickster, Seductive and Transgressor. But it is worth understanding that he represents the freshness of the soul, the spark of the spirit and our deeply originality.


Bibliografy:
HILLMAN, J. O Livro do Puer – ensaios sobre o Arquétipo do Puer Aeternus. São Paulo: Paulus, 1998.
KAWAI, H. A Psique Japonesa – Grandes temas dos contos de fadas japoneses. São Paulo: Paulus, 2007.
VON FRANZ, M. L. A interpretação dos contos de fada. 5 ed. Paulus. São Paulo: 2005.
_________________. A sombra e o mal nos contos de fada. 3 ed. Paulus. São Paulo: 2002.
________________ A individuação nos contos de fadas. 3 ed. Paulus: São Paulo: 1984.
________________ Puer Aeternus – A luta do adulto contra o paraíso da infancia. 5 ed. Paulus. São Paulo: 2005.



segunda-feira, 21 de março de 2016

João Felizardo




João Felizardo é um conto dos irmãos Grimm que causa uma estranheza tremenda no leitor.
Eis o conto:
João trabalhou duro durante sete anos, mas desejava voltar a ver a sua pobre mãe. Foi pedir as contas ao patrão que havia se afeiçoado ao rapaz pelo seu jeito alegre e descontraído e lhe pagou com uma pepita de ouro do tamanho de sua cabeça, recomendando ao rapaz que tivesse juízo, pois aquela pepita lhe traria muitas alegrias na vida. 

João partiu em viagem, a pé, mas logo ficou cansado por carregar aquela pedra tão pesada. Ele viu um cavaleiro montado em seu cavalo e vendo a facilidade com que marchava no cavalo, ele ofereceu ao cavaleiro para trocar o seu ouro pelo cavalo. O cavaleiro mais que depressa aceitou e João ficou muito feliz em se livrar daquele peso, o homem deu-lhe o cavalo e João seguiu adiante. João acelerou o cavalo e foi jogado para fora do animal não conseguindo mais montar no animal levava-o, puxando pelas rédeas, embaixo do sol forte, foi então que ele encontrou um pastor que tinha uma vaca magricela e conversando com João o convenceu a trocar seu cavalo por sua vaca, argumentando que uma vaca poderia fornecer leite, queijo e manteiga, além de marchar mais vagarosamente. 


João aceitou a oferta e levou a vaca, deixando o cavalo com o pastor que ficara muito contente com a troca, continuando a sua jornada,sentiu sede e resolveu ordenhar a vaca, mas descobriu que a vaca estava seca e não produzia mais leite, como ele havia pensado; descontente com a vaca continuou sua jornada. João encontrou um açougueiro que tinha um porco e interessado pela vaca que o rapaz carregava, ofereceu o porco em troca dizendo as vantagens do animal que além de tudo poderia fornecer linguiças e carne saborosa. 


Os olhos do rapaz brilharam de satisfação lembrando da comida deliciosa que sua mãe preparava e de como ficaria contente quando visse aquele belo porquinho, resolveu então aceitar a troca com o açougueiro. João começou a correr novamente, na esperança de ter encontrado um companheiro de viagem ideal. Mais adiante, porém João encontrou um camponês que lhe informou que um porco como aquele que carregava, havia sido roubado do escudeiro e ele corria o risco de ser preso por estar com o porco. 


Sem saber o que fazer, o camponês ofereceu um ganso que tinha em troca do porco, João levou o ganso do camponês em troca de seu porco, feliz por ter se livrado da prisão, imaginando que bom assado aquele ganso poderia dar. Seguindo seu caminho, na próxima aldeia João viu um amolador de facas e tesouras e contou a sua história para ele. O amolador lhe ofereceu uma pedra sobressalente e já desgastada de amolar em troca de seu ganso argumentando que a pedra iria lhe proporcionar uma fonte de renda, pois todo mundo tem sempre uma faca para afiar. João trocou o ganso pelo rebolo e continuou o seu caminho, mas foi ficando cansado pelo peso da pedra e cada vez mais faminto, pois não tinha dinheiro para comprar comida. Quando João parou para beber água, nas margens de um rio, a pedra de amolar caiu em águas profundas se perdeu. João ficou feliz por se livrar da pesada pedra e de todos os problemas. Ele voltou para a casa de sua mãe, lhe contando o quanto tinha tido sorte. 

João é um conto que nos faz refletir sobre valores e sobre consumismo. 
Até onde nosso desejo por conquistas pode nos levar? 
João não se abala de ter perdido seu rico dinheiro e o tempo todo se sente com sorte.
Em nosso processo de individuação a perda nos faz refletir naquilo que realmente nos importa. A perda nos leva a conquista de algo.
A estranheza do conto e o mal estar que ele provoca ao ler abala nossa crença no capitalismo.
Outro aspecto que chama a atenção é que João sempre perde o interesse naquilo que ganha e troca por algo que julga ser melhor.
Quantas vezes não pensamos que "a grama do vizinho é mais verde", que aquilo que temos é pouco. Desejamos tanto algo que quando conseguimos perdemos o interesse. 
Queremos um emprego e ao perceber que não é perfeito ficamos decepcionados e decidimos trocar.
João ao final quando se livra das pedras do desejo egóico se sente livre e leve e o apenas ser lhe deixa satisfeito.
Ao abrir mão do ter podemos ser livres e conseguir o que realmente procuramos. 






quarta-feira, 9 de março de 2016

A Anima



 Por: Hellen Reis Mourão
A ideia da natureza andrógina do homem é muito antiga, e muitas vezes foi expressa na Mitologia e pelos espíritos intuitivos (os xamãs, por exemplo) dos tempos passados.
Mais recentemente Carl Jung aprofundou no estudo da mitologia, dos contos, dos sonhos e da literatura e observou esse fato psicológico da natureza humana e nos presenteou com os termos Anima e Animus, que simbolizam os opostos existentes no homem e na mulher.
Na Grécia antiga havia a ideia e que os primeiros seres que deram origem aos humanos, eram perfeitamente redondos, tinham quatro braços e quatro pernas e uma cabeça com duas faces, parecendo opostas entre si. Eram masculinos e femininos ao mesmo tempo e por isso possuíam enorme força e inteligência que rivalizavam com os deuses. Com medo os deuses cindiram as esferas em dois e os gêneros foram separados, mas a lembrança dessa unidade faz com que o ser humano lute para se reunir com sua metade de novo.
Essa busca ainda reside no inconsciente humano, e consiste na busca que o homem tem de completude e de integração. Por essa razão, anima e animus são instancias psíquicas tão importantes para o processo de individuação.
Na verdade, a grande contribuição dos conceitos de anima e animus é a de que todo ser humano é andrógino. Em cada mulher existe o reflexo de um homem e em cada homem existe o reflexo de uma mulher.
Não há homem algum tão exclusivamente masculino que não possua em si algo de feminino. O fato é que precisamente os homens muito masculinos possuem (se bem que oculta e bem guardada) uma vida afetiva muito delicada, que muitas vezes é injustamente tida como "feminina". (Jung, 2008)
A anima então designa o aspecto feminino, em grande parte inconsciente dos homens, ou seja, “a mulher interior” em cada homem.
Conforme Von Franz (2002):
Anima é a personificação de todas as tendências psicológicas femininas na psique do homem — os humores e sentimentos instáveis, as intuições proféticas, a receptividade ao ir racional, a capacidade de amar, a sensibilidade à natureza e, por fim, mas nem por isso menos importante, o relacionamento com o inconsciente.“
Para Jung, a anima está ligada à emotividade e a capacidade para proximidade e receptividade do homem.
A palavra anima (assim como animus) vem do latim animare, que significa animar, avivar. Pois tanto a anima quanto o animus se assemelham a espíritos e alma vivificadores para homens e mulheres. Por isso, o ato de se apaixonar é tão vivificante para o individuo.
Carl Jung ainda aponta que as manifestações da anima em um homem são determinadas pela experiência dele com sua mãe pessoal. Ou seja, anima corresponde ao Eros materno.
No entanto, ao longo da vida do homem, é necessário que a imagem da anima se separe da imago materna.
Conforme aponta Von Franz (2002) se o homem sente que a mãe teve sobre ele uma influência negativa, sua anima vai expressar-se, muitas vezes, de maneira irritada, depressiva, incerta, insegura e susceptível.
A anima é um arquétipo, que simboliza a experiência do homem, desde os tempos mais remotos, com a mulher.
Os arquétipos formam a base de padrões de comportamento instintivos e que não são aprendidos, são inatos e comuns a toda espécie humana. Esse padrão feminino, então ficou registrado no inconsciente masculino e foi apreendido ao longo da historia da humanidade.
Embora as expectativas culturais e sociais com relação aos papeis atribuídos ao homem e a mulher influenciem no modo os gêneros vivem suas vidas, há padrões psíquicos arquetípicos que influenciam de forma categórica a forma de conduta do feminino e masculino.
Como todo arquétipo a anima apresenta um lado positivo e outro negativo, em sua relação com o ego masculino. Em seu aspecto positivo, ela é capaz de inspirá-lo e sua capacidade intuitiva, muitas vezes superior à do homem, pode adverti-lo convenientemente. Seu sentimento, orientado para as coisas pessoais, é apto para indicar-lhe caminhos; sem essa orientação, o sentimento masculino, menos orientado para o elemento pessoal, não os descobriria. (Carl Jung, 2008)
Ela faz então o papel de musa inspiradora, uma espécie de Atená que inspira o homem em seus feitos heróicos e lhe ajuda com estratégias.

Pelo lado negativo, a anima não desenvolvida, provoca uma espécie de apatia, um medo a doenças, à impotência ou a acidentes. A vida adquire um aspecto tristonho e opressivo. Este clima psicológico sombrio pode, mesmo, levar um homem ao suicídio, e a anima torna-se então o demônio da morte. Ela também é responsável por causar de caprichos insensatos no homem e uma hiper sensibilidade.
A anima - assim como o animus - personifica o inconsciente, e quando toma a consciência do homem suscita nele caprichos ilógicos conferindo-lhe um caráter irritante e desagradável. Não que o inconsciente tenha essas características, mas quando a anima começa a influenciar a consciência ela se apresenta ainda como uma personalidade parcial e ainda não refinada e primitiva. Assim como a sombra ela precisa ser compreendida, reconhecida e integrada.
As imagens arquetípicas mais comuns do aspecto negativo da anima são: a femme fatale, as sereias que simbolizam uma ilusão destruidora, a bruxa.
As sereias simbolizam o sonho irreal de amor, de felicidade, e de calor materno (o ninho) — um sonho que afasta o homem da realidade. Nos mitos o homem se afoga porque persegue um desejo fantasioso, que não se pode realizar.
A bruxa simboliza observação rancorosa, venenosa e efeminada que ele emprega para desvalorizar todas as coisas. Observações deste tipo sempre contêm uma mesquinha distorção da verdade e são engenhosamente destruidoras. Existem lendas pelo mundo afora em que surge "uma donzela venenosa" (como dizem no Oriente). E sempre uma bela criatura que traz veneno ou armas escondidas no corpo, com as quais mata seus amantes na primeira noite de amor. Quando assim se manifesta, a anima é tão fria e indiferente como certos aspectos violentos da própria natureza, e na Europa até hoje isto se traduz, muitas vezes, por crença em feiticeiras.
Von Franz (2002) aponta que uma manifestação ainda mais sutil da anima negativa aparece, em alguns contos de fada, sob a forma da princesa que pede a seus pretendentes que respondam a uma série de enigmas. Os candidatos morrem se não conseguem encontrar as respostas e a princesa ganha sempre. A anima sob este aspecto envolve os homens num jogo intelectual destruidor. Ou seja, ela usa de artimanhas para que o homem acredite que está pensando por si só de forma objetiva, mas está caindo na armadilha de um pensamento pseudo-intelectual.
A anima também leva o homem a alimentar fantasias eróticas com pornografia. Esse é um aspecto primitivo e grosseiro da anima, que só se torna compulsivo quando o homem não cultiva suficientemente suas relações afetivas — quando a sua atitude para com a vida mantém-se infantil.
Por essa razão o homem é compulsoriamente induzido ao relacionamento sexual com a mulher, que para ele, traz em si a imagem feminina dele, e só sente que o relacionamento está completo depois da cópula, quando ele experimenta uma sensação de momentânea unidade com ela (Sanford, 1987).
É a anima (e o animus nas mulheres) que provocam paixões súbitas, onde o homem ao avistar uma mulher se sente atraído de imediato por ela e sente-se como se já a conhecesse a vida inteira perdendo-se a ela. Isso pode ser positivo ou fazer o homem se perdeu completamente.
Falando agora sobre o lado positivo de uma anima bem desenvolvida, Von Franz (2002) aponta que ela é, por exemplo, responsável pela escolha da esposa certa. Ou quando o espírito lógico do homem se mostra incapaz de discernir os fatos escondidos em seu inconsciente, a anima ajuda-o a identificá-los.
Ela faz a ponte para o ego masculino encontrar sua verdade e valores mais profundos. Ela é o guia para a sua verdade mais profunda.
A anima positiva é uma guia espiritual para o Self e não “toma” a personalidade consciente do homem transformando-o em uma mulher inferior e o transformando em um ser com humor oscilante.
Mas para isso, a anima deve passar por quatro estágios de desenvolvimento.
O primeiro é simbolizado na figura de Eva, representando o relacionamento puramente instintivo, sexual e biológico; o segundo pode ser simbolizado por Helena de Tróia, que também é caracterizado pelos elementos sexuais, porém personifica um nível mais romântico e estético. Seria a musa inspiradora. O terceiro estágio pode ser simbolizado pela Virgem Maria, sendo aquela que eleva o amor à grandeza da devoção espiritual e símbolo da maternidade. O quarto estágio é simbolizado por Sofia (sabedoria), a sabedoria que transcende até mesmo a pureza e a santidade. Um exemplo é a deusa grega Atena que guiava os heróis com sua sabedoria.

A anima positiva pode auxiliar o homem a fixar seus sentimentos, humores e fantasias em alguma forma como literatura, pintura, dança escultura ou música.
Outra consideração sobre a anima é o perigo da unilateralidade. A anima ao mesmo tempo que é um ser pessoal e possui aspectos individuais, ela é também espiritual e pode se tornar um figura religiosa como Maria em nossa sociedade ocidental. A anima representa o componente feminino da personalidade do homem, mas ao mesmo tempo a imagem do ser feminino que este de modo geral traz em si; em outras palavras, o arquétipo do feminino.
O homem precisa encontrar o meio termo entre esses dois aspectos, o que não é algo fácil. Se considerar apenas o aspecto espiritual não conseguirá se relacionar com a mulher real, compreendendo que nenhuma mulher se aproxima da imagem de Deusa que ele tem em sua fantasia. Se considerar apenas um ser pessoal há o perigo de, projetando-a no mundo exterior, só nele poderá encontrá-la. Esta última situação pode criar grandes problemas, já que neste caso ou o homem se torna vítima de fantasias eróticas ou compulsivamente dependente de uma mulher real (Von Franz, 1996).
Por essa razão é necessária a projeção em uma mulher real e o relacionamento com ela para que o homem possa aprofundar cada vez mais em seu eu interior e conhecer esses dois aspectos de seu feminino.
O amor envolve dois elementos extremos: de um lado, um ideal romântico e espiritual; de outro, um impulso biológico pela procriação da raça, algo localizado bem no nível animal. De algum modo, esses opostos se combinam, e devem se combinar em uma relação. Arquetipicamente o homem junta em uma figura a princesa idealizada e a prostituta.
No conto de fadas Rapunzel, a princesa fica em uma torre onde de vez em quando o príncipe sobe e satisfaz suas necessidades, atrás desse pano de fundo está a mãe devoradora, terrível. A princesa precisa descer da torre e encontrar manifestação terrena e o príncipe deve vagar cego pelo deserto e sofrer miséria, dor e solidão. Ou seja, deve abandonar o paraíso aprisionador dos braços da mãe para encontrar a mulher real e assim constituir uma realização mais satisfatória.
Na problemática da anima o homem, então, deve superar o complexo materno, pois assim, o homem está livre para o encontro com a anima, ou alma, Mas como a feminilidade da anima inicialmente é identificada com a mãe, é essencial para o crescimento psíquico que essa identificação seja rompida e que a anima seja separada da mãe. Quando tal separação ocorre, o filho é capaz de estabelecer um relacionamento maduro com uma mulher, no qual ela não seja nem idealizada, nem degradada (Von Franz, 1996).
Mas o papel mais importante da anima, conforme Jung (2006) se trata de transmitir conteúdos inconscientes, no sentido de torná-los visíveis. Ela ajuda na percepção de coisas que de outra maneira permanecem no escuro. A consciência masculina, no geral, tende a excluir e separar, algo evidente nos mitos dos heróis solares que lutam para se separar do horror do inconsciente.
A consciência feminina, que na alquimia é regida pela lua, é menos penetrante, menos clara e mais difusa que a masculina.
A Lua sempre foi considerada uma constelação feminina, que está em perpétua mudança. Ela rege a menstruação, o nascimento, a morte, os animais, as marés e assim por diante. Ela agrega, compreende e aceita o mal e a sombra - tanto que em contos de fadas é mais difícil encontrarmos exemplos que tratem especificamente da sombra feminina.
Jung (2006) diz que:
“Há uma condição prévia para isso: trata-se de uma espécie de escurecimento da consciência, portanto da instalação de uma consciência mais feminina, que é menos penetrante e clara que a masculina, mas que num âmbito mais amplo percebe coisas ainda vagas. O dom visionário da mulher, sua capacidade de intuição é conhecido há eras. Seus olhos mais desfocados permitem-lhe pressentir o escuro e ver o que está oculto. Essa visão, a percepção daquilo que não pode ser visto de outra maneira, torna-se possível ao homem através da anima.”
Em nossa sociedade Ocidental, o homem sempre considerou uma virtude reprimir seus aspectos femininos, sua sensibilidade e apreciação pelo belo. A mulher cada vez mais se tornou viril e encobriu o homem com sua masculinidade (animus) agressiva e mais combativa que a do homem comum.
Os traços de feminilidade tanto no homem, quanto nas mulheres sofreram perseguições e repressões.
Há uma necessidade urgente e imperiosa de trazermos esses aspectos novamente a consciência para que homens e mulheres não mutilem mais traços de sua psique
Principalmente para o homem moderno, que agora se vê em uma necessidade de desenvolver sua anima, esse aspecto pode trazer vida a ele, pois a anima representa o fluxo da vida e assim compreender melhor não só o mundo exterior, mas o interior.

Referências Bibliográficas:
BOA, F; VON FRANZ, M. L. O Caminho dos Sonhos - Marie-Louise von Franz em conversa com Fraser Boa. São Paulo: Cultrix, 1996.
BOLEN, J. S. – Os deuses e o homem, São Paulo: Paulus, 1990.
JUNG, C. G. O eu e o inconsciente. 21 ed.Vozes. Petrópolis: 2008.
JUNG, C., VON FRANZ, M. L., HENDERSON, J. L., JACOBI, J. & JAFFÉ, A. O homem e seus símbolos, 23 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.
JUNG, E. Animus e Anima. São Paulo, Cultrix, 2006.
SANFORD, J. A. Os parceiros invisíveis – o masculino e o feminino dentro de cada um de nós. São Paulo, Paulus: 1987.
VON FRANZ, M. L. A interpretação dos contos de fada. 5 ed. Paulus. São Paulo: 2005.
________________ Animus e Anima nos contos de fada. Verus. Campinas: 2010.